Singela homenagem a Tomie Ohtake: imagens de uma escultura vermelha na Praça Professor José Lannes

Dia 12 de fevereiro, três dias antes deste post, a cidade, o país e as artes mundiais perderam uma artista única, escultora e pintora, de nome Tomie Ohtake.

Nascida em Kyoto, no Japão, no ano de 1913, aos 23 anos de idade veio visitar um familiar no Brasil e daqui não foi mais embora. Casou-se e teve dois filhos. Quando os filhos cresceram o amor e o dom já existente pelas artes veio à tona e a carreira profissional iniciou-se então aos 40 anos. Tomie Ohtake trabalhou até o final de sua vida, aos 101 anos de idade, e esse longo tempo de intensa produção artística lhe permitiu grande divulgação de sua vida e obras.

De forma inversa à facilidade que qualquer acesso à internet ou livros de arte permite localizar muitas imagens e informações, tenho imensa dificuldade em prestar alguma homenagem que já não tenha ocorrido.

Para este post busquei então alguma obra de fácil acesso na cidade, e que tenha tido menos exposição na mídia. A obra é uma imensa escultura do ano 2000 localizada na Praça Professor José Lannes, em frente ao belo e moderno Edificio Berrini 500, na Avenida Eng. Luís Carlos Berrini 500, zona sudoeste de São Paulo, construído com a arquitetura de seu filho Ruy Ohtake. O bairro é o Itaim-Bibi e a obra também é citada como no bairro do Brooklin Novo.

É uma escultura em aço com 12,5 metros de comprimento e pesando três toneladas. Como a maioria das esculturas que Tomie realizou para espaços públicos, a cor é vermelha, sua preferida para esse tipo de exposição.

Não há placa de identificação e o estado da praça é regular, mas há bons bancos para admiração da obra, que também pode ser vista a partir da avenida e provavelmente passa despercebida no dia a dia paulistano.

Como já muito divulgado, Tomie vivia imersa em sua arte, há 36 anos na casa-ateliê de aspecto modernista também projetada pelo filho Ruy, no bairro Campo Belo, na zona sul de São Paulo.

Seu filho Ricardo preside, por outro lado, o Instituto Tomie Ohtake, criado no anos de 2000 na zona Oeste de São Paulo. O Instituto congrega 7 salas de exposição, 4 salas de ateliês, uma de seminários e uma de documentação, ligadas por um grande hall, com restaurante, café, livraria e loja de objetos. Sua patrona será lembrada em suas muitas obras e nessa “casa de arte”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *