Sibipirunas em floração na primavera

A primavera teve início há um mês e São Paulo agora ganha ares dourados nas ruas e avenidas. É época de floração das sibipirunas, árvores de grande porte e frondosas que mostram as muitas flores em grandes cachos amarelos no topo de suas copas. Muito frequentemente vistas nos caminhos da cidade, deixam no solo ao seu redor inúmeras pequenas florzinhas quase douradas que caem continuamente com o vento e mudam a cor das calçadas e até do teto dos automóveis estacionados.

O nome é desconhecido por muitos, que apenas admiram suas flores e sua sombra, mas que também podem queixar-se dos “tapetes amarelos” que necessitam várias retiradas ao dia para que a resina que soltam não torne mais difícil a verrudura. É uma árvore que se desenvolve com facilidade em locais ensolarados e devido ao seu rápido crescimento e grande poder germinativo, além da beleza ornamental, essa espécie é muito utilizada no paisagismo urbano e em projetos de reflorestamento.

Sobre essa árvore de flores tão expressivas, seu nome científico é Caesalpinia peltophoroides. O nome popular sibipiruna é originário da língua tupi e significa “raiz de casca preta”. É originária da Mata Atlântica brasileira e foi trazida pelo rei D João VI, que a introduziu no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Desenvolve-se com facilidade em climas tropicais e subtropicais, alcança de 8 a até 30 metros de altura e o tronco de 30 a 40 cm de diâmetro, podendo viver por mais de um século.

A sibipiruna tem folhas pequenas e compostas, denominadas pelos botânicos como bipinadas (forma de pena), ou seja, que apresentam formas multi-divididas insertas num eixo comum e lembram as folhas da avenca, formando uma densa copa. As raízes são poderosas, porém pouco agressivas para as calçadas. O tronco tem potencial madeireiro, sendo utilizado na construção civil, na produção de caixotes e até nas estrutura de móveis. Seu aspecto se modifica com passar do tempo, tornando-se escamoso.

O detalhe, porém, fica por conta mesmo é da floração. A sibipiruna produz na verdade, inflorescências, que têm as pequenas flores amarelas, de cinco pétalas, dispostas em grandes cachos eretos, como espigas. Curiosamente primeiro abrem todas as flores da metade de baixo, depois as da metade de cima da inflorescência. Sua localização, por cima das copas, permite um espetáculo à parte quando vistas de cima, como das janelas das casas, varandas e alto de prédios. A queda constante dessas delicadas florzinhas amarelando o chão é que completa a beleza de uma das árvores que mais marca a primavera na cidade de São Paulo.

Depois do período de floração que estamos observando no momento surgirão frutos achatados, como vagens, de tonalidade preta, com 3 a 4 sementes dentro. Quando maduras, essas vagens se romperão por torção, arremessando então suas sementes. Você provavelmente já as viu, porém não relacionou às lindas flores da primavera.

Há duas semanas venho buscando e fotografando sibipirunas e coloco aqui as fotos das árvores mais bonitas que encontrei. Elas estão por todos os cantos, em praças, calçadas e jardins de residências ou edifícios e foi até difícil escolher.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *