Parque do Ibirapuera fecha pela segunda vez em sua história

Em 21 de março de 2020 o Parque do Ibirapuera fechou seus portões pela segunda vez em sua história. Era sábado e a cidade de São Paulo amanheceu diferente, com seu mais famoso parque fechado, o Parque do Ibirapuera. No dia anterior fora anunciado o fechamento de todos os 107 parques municipais, bem como os estaduais, como mais uma medida para tentar conter o avanço da pandemia do Coronavírus, COVID-19. Outras ações já estavam em curso como restrições no comércio e recomendações de controle da mobilidade urbana, porém, a decretação de estado de calamidade pública levou a essa medida, que atordoou os paulistanos.

Grandes faixas anunciavam textos diferentes em cada portão como:

“Parque fechado. A partir de sábado (21 de março) os Parques Municipais sob gestão da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente permanecerão fechados, por tempo indeterminado, de acordo com o Decreto n. 59.290, de 19 de março de 2020, da Prefeitura do Município de São Paulo.”

Como da primeira vez que o parque foi fechado, em 2014, por forças da natureza que derrubaram imensas árvores e colocavam frequentadores em risco, fui novamente conferir e acreditar. A sensação foi de abandono. Desta vez poucas pessoas podiam ser vistas na rua e havia um tímido funcionário de máscara em cada guarita, que nem se movia com minha aproximação a cada portão.

Diferente do episódio de 2014, quando grandes troncos e raízes podiam ser vistos arrancados do chão e interditavam parque e avenidas, agora o trânsito de automóveis estava aberto e nada havia de errado com o parque. Lá estavam reluzentes seu gramado, árvores, lago e o perigo, invisível aos olhos, ainda surpreende mais de três meses após o fechamento. Nas avenidas, relógios de rua anunciavam para não sair de casa e exibiam mensagens como “Você é importante nessa luta”.

Reportagens realizadas em dias imediatamente posteriores mostravam uma população em choque, perdida pela interrupção de suas atividades rotineiras ao ar livre e muitos ainda descrentes de uma gravidade que pouco se conhecia. Havia entrevistados que insistiam em manter sua rotina e caminhavam nos gramados e avenidas ao redor do parque, com ou sem máscara, e que acreditavam que a medida não duraria uma semana. Os paulistanos, em sua maioria, contudo, foram aderindo ao isolamento social mais e mais, mas até hoje é possível ver pessoas sentadas no gramado fora do parque admirando simplesmente o chafariz do lago. Todos desejam a natureza e suas rotinas.

Por fim, na quinta feira dia 09 de julho de 2020, como um presente para a cidade em seu feriado máximo que já havia sido alterado, foi divulgado que o Parque do Ibirapuera e outros 69 parques reabrirão dia 13 de julho, ainda com horário restrito, acesso controlado e apenas nos dias de semana para evitar aglomerações. Seguirei fotografando e admirando o Parque do Ibirapuera e seus frequentadores felizes.

Vou mostrar algumas fotos que fiz dos portões fechados do Parque em sua histórica segunda vez e também como os paulistanos se adaptaram para minimamente admirar de longe o querido parque nesse período.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *