Museu dos Óculos Gioconda Giannini

O Museu dos Óculos Gioconda Giannini é um museu localizado no Bixiga, um dos bairros mais tradicionais de São Paulo. O Bixiga, bairro fundado por imigrantes italianos, está situado na região do Centro de São Paulo e tem uma importância histórica, cultural e gastronômica muito ampla para a capital paulista.
O Museu dos Óculos, único no Brasil, encontra-se nessa localização privilegiada e foi fundado em março de 1996 pelo pioneiro esteta óptico, o descendente de imigrantes italianos Miguel Giannini. Está sediado no piso superior de um antigo casarão de 1918, agora tombado, em estilo neo-clássico, com dois andares, pertencente ao próprio Miguel Giannini, que recuperou o imóvel após sua aquisição. A restauração foi minuciosa e devolveu o estilo do palacete anteriormente destinado provavelmente à moradia de um grande empresário. O seu nome, Museu Gioconda Giannini, presta homenagem à mãe do esteta óptico, que junto com ele criou a primeira loja.
Detalhe que o primeiro piso do belo casarão branco e azul é ocupado pela Miguel Giannini Óculos, tradicional ótica paulistana e o piso térreo abriga um laboratório de produção de óculos.
O acervo do Museu dos Óculos teve início com a coleção particular de armações antigas de Miguel Giannini à qual foram se somando aquisições de várias procedências incluindo leilões, feiras de antiguidades e também doações espontâneas. Hoje, o museu tem em exposição cerca de 250 peças, menos da metade de seu acervo, segundo o colecionador.

Como é a visita ao Museu dos Óculos

O museu informa que oferece aos visitantes uma viagem de sete séculos através da história dos óculos, com uma coleção de exemplares do Brasil e de várias partes do mundo.
Logo na entrada não há como não admirar a bela construção, que manteve nos ambientes também internos as características originais, incluindo restauração de antigas pinturas das paredes. Uma tortuosa escadaria de madeira conduz o visitante ao hall de entrada do museu onde muitos certificados emoldurados do esteta óptico estão afixados nas paredes, adornando-as.

O acervo é separado por períodos históricos e cronologicamente, com os óculos expostos em vitrines que acompanham as paredes, cristaleiras ou até vitrines localizadas em parte central da sala que se parecem a uma “mesa de óculos”.
As peças expostas são na maioria das vezes originais e variam desde antigas raridades, óculos icônicos, peças utilizadas por artistas famosos e também algumas réplicas de origens mais remotas.
Estão expostos lorgnettes, aqueles antigos óculos de grau com duas lentes geralmente redondas e uma haste lateral na vertical para segurar com a mão, utilizados quase que como peça de joalheria feminina.
Outra peça que chama a atenção por sua beleza e história é um óculos-leque de tartaruga do século XVIII com lentes de grau nas duas pontas. Como os óculos foram confeccionados inicialmente para perto, portanto, para pessoas maiores de 40 anos, o preconceito de indicar a idade pela sua necessidade fez com que fossem utilizados artifícios para ocultar as lentes corretoras, como está apresentado na foto.
Na década de 1940 a tendência eram óculos com aros redondos enquanto que no final da década de 50 surgiu o estilo gatinho, que transformou os sérios aros em bela leveza. Esta seqüência está exposta no museu, bem como os óculos gigantes de plástico ou metal da década de 70, com suas lentes coloridas.
Lá você encontrará óculos que foram utilizados por famosos brasileiros como Elis Regina, Rita Lee, Hebe Camargo, Jô Soares e óculos que marcaram época na moda, o que foi relevante a partir dos anos 1970.
Você poderá ver também uma bela coleção dos primeiros estojos de óculos confeccionados em materiais como metal, couro ou tecidos bordados.
O espaço do museu é dividido por paredes em arco em salas que se identificam por nomes de profissionais da oftalmologia de destaque na cidade: Dr. Wilmar R. Silvino, óptico Raul Pinha, Dr. Rubens Belfort Mattos.
O museu também abriga entre as peças originais, máscaras usadas por pilotos ingleses durante a segunda guerra mundial e modelos exóticos.
Nas paredes estão registradas reportagens e fotos de personalidades como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tiveram moldada sua expressão pelos óculos escolhidos e feitos por Miguel Giannini.
No espaço do museu há ainda um pequeno anfiteatro, alguns livros e catálogos especializados, objetos e máquinas antigas utilizadas por oftalmologistas, bem como uma parede com o croqui do casarão mostrando sua ampliação, além, claro, de muita informação.
No segundo piso está também a sala da administração, onde estava o gentil Harry, que me acompanhou e forneceu informações durante minha visita.

O interessante museu mostra a evolução da criação e progresso da fabricação dos óculos. O Museu dos Óculos chama a atenção para o momento em que essas peças passaram a pertencer ao vestuário e a seguir as tendências da moda e estilos de vida. De um invento que surgiu pela necessidade humana, evolução da ciência e disponibilidade de materiais, os óculos passaram a ser um acessório desejado, solares e também de grau, apresentados no museu como uma grata revisão da história desse ramo da oftalmologia.

Informações de interesse

Endereço: Rua dos Ingleses, 108
Tel.:(11) 3149-4000
Horário de Atendimento
De Segunda à Sexta das 9 às 19hs
Sábados das 9 às 13hs
É possível o agendamentos para grupos
Entrada gratuita
Detalhe que há estacionamento gratuito com prestativos manobristas em frente ao museu

Para saber mais sobre a história dos óculos desde seus primórdios, quando ainda eram apenas pedaços de vidro para melhorar a visão dos líderes e nobres de seu tempo, visite o post sobre a Bless Optical e a história dos óculos.

4 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *