Fonte Milão: homenagem à aliança entre duas cidades irmãs

A Fonte Milão e a Praça Cidade de Milão, onde está localizada, foram criadas para comemorar o conceito de “cidades gêmeas” em acordo firmado em março de 1962 entre os prefeitos das cidades de São Paulo e Milão, respectivamente Francisco Prestes Maia e Gino Cassini. A inauguração da Praça Cidade de Milão ocorreu em outubro do mesmo ano na presença dos dois prefeitos enquanto a fonte/monumento ocorreu bem mais tarde, no ano de 1971, com destaque para as réplicas de quatro famosas esculturas tumulares de Michelangelo Buonarroti.
A degradação gerada pelo abandono e pelo passar do tempo já levou essa fonte a sofrer duas grandes restaurações, em 1988, com recursos da iniciativa privada, e novamente em 2003 com recursos da cidade de Milão, na Itália.
Em dezembro de 2017 a Prefeitura de São Paulo revitalizou e restaurou por completo a fonte Milão bem como a Praça Cidade de Milão, desta vez como o apoio do projeto “Italia Per San Paolo- -Monumentando e Restaurando a Cidade” e agora é possível admirar toda a obra, que se reflete, ao menos por ora, numa água limpa e com os jatos da fonte finalmente religados.

A reprodução das esculturas foi contratada junto ao Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo que recebeu os moldes italianos trazidos a São Paulo no início do projeto e, por razões desconhecidas, as obras só foram instaladas no espaço público em 1971.

A Fonte Milão

A Fonte Milão foi inspirada nas fontes italianas e é composta, além do chafariz, por reproduções ampliadas em argamassa armada de quatro esculturas tumulares renascentistas de Michelangelo Buonarroti ladeando a fonte.
As esculturas originais em mármore foram criadas no século XVI se encontram nos túmulos Médici, na Capela dos Médici, em Florença. Elas representam a Alegoria do Tempo, obra das mais belas de Michelangelo que é parte integrante do monumento funerário de Lorenzo e Giuliano de Médici.
As quatro alegorias que são o destaque da fonte Milão distribuem-se ao redor do chafariz e representam “A Noite”, “O Dia”, “O Crepúsculo” e “A Aurora”. Emoldurando as esculturas ao fundo há ainda uma parede com os brasões das cidades irmãs de Milão e São Paulo esculpidos.

As figuras femininas (Noite e Aurora) são menores e estão dispostas em primeiro plano enquanto as figuras masculinas (Dia e Crepúsculo) tomam lugar mais ao fundo ladeando a parede com os brasões das cidades gêmeas.
As duas peças com figuras masculinas medem 2,90m x 4,17m x 1,45m e as peças femininas medem 1,70m x 2,10m x 0,85m.
Cada alegoria possui detalhes a serem admirados, nos moldes da obra original. Aurora mostra um sonolento despertar e retorce seu corpo feminino musculoso, característica que pode ser notada nas quatro imagens. Crepúsculo, ao lado de Aurora, tem os músculos ainda mais nitidamente esculpidos e fortes. Noite se destaca não só pela expressão pensativa (afinal todos representam sentimentos de pesar sobre os túmulos), mas por seu corpo estar sobre uma cabeça semelhante a uma máscara e sobre uma ave. Dia é um homem de costas e que mostra apenas uma expressão misteriosa dos olhos, tem uma clara postura em movimento, o corpo coberto por um pano e diferente das outras três alegorias não apresenta detalhes nítidos especialmente o rosto, que não foi concluído.

Como se trata de reprodução de obras de arte o detalhe é que elas não são rigorosamente iguais às esculturas originais, uma falha, pois sua observação transmite dessa forma referências culturais confusas.
Iniciando pelas dimensões, na obra original as figuras femininas têm comprimento mais assemelhado às figuras masculinas, sendo que Crepúsculo (masculino) e Noite (feminino) são discretamente menores e a figura Dia é a maior. Nas reproduções da fonte Milão as figuras femininas possuem iguais dimensões entre si, tendo aproximadamente metade do tamanho das masculinas.
As diferenças em relação à obra italiana estão também na disposição das esculturas, que rompem com a disposição adotada por Michelangelo. Aurora e Crepúsculo estão sobre o túmulo de Lorenzo “o Magnífico” e aos pés de sua estátua enquanto Noite e Dia pertencem ao túmulo e Giuliano, terceiro filho de Lorenzo. Na fonte Milão, Noite e Crepúsculo estão dispostas no lado esquerdo e Aurora e Dia no lado direito da fonte.
Outro detalhe provavelmente de natureza de pudor cultural refere-se à reprodução da peça Crepúsculo. Criada em nudez completa e detalhada, na fonte Milão apresenta uma folha de vinha como tapa-sexo. Embora com pouca nitidez também foi esculpido um tapa-sexo na escultura Dia.
Além da atual beleza tanto da fonte quanto do entorno sentimos que as cópias das esculturas não possam ser também uma fonte de informação perfeita, sem nenhum motivo razoável que tenha sido apontado em nossas pesquisas.

Revitalização da Fonte Milão em 2017

A Prefeitura de São Paulo, gestão do prefeito João Dória Júnior, entregou no dia 17 de dezembro a revitalização e requalificação da Praça Cidade de Milão, na Avenida República do Líbano, Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo. O projeto teve autoria do Instituto Europeu de Design (IED) e a recuperação da fonte foi doada pela empresa italiana de pneus Pirelli. A iniciativa também contou com investimentos da empresa varejista Polishop na revitalização da praça. A ação faz parte do projeto “Italia Per San Paolo”, grupo de empresários da comunidade italiana que busca restaurar os monumentos que são símbolos da aliança entre Brasil e Itália na cidade, idealizado pela Embaixada da Itália, pelo Consulado da Itália em São Paulo e pela Italian Trade Agency (ITA), que possibilitaram os contatos entre a Prefeitura e empresas da comunidade italiana.
A fonte estava seca há muito, com as obras deterioradas e sujas e a praça sem cuidados ou mínima segurança para ser freqüentada. Segundo informado pela Prefeitura, os reparos na fonte e na praça foram feitos durante dois meses com a limpeza de todos os elementos, tratamento de trincas e ferragens expostas, além da recomposição de partes perdidas. A recuperação também contemplou a revisão dos sistemas hidráulicos e elétricos e a impermeabilização do monumento com o objetivo de prolongar sua vida útil. A água é de reuso.
Os jardins foram reconstruídos com a redefinição dos espaços verdes e a praça conta agora com novas espécies vegetais, construção de caminhos para a definição de percursos no espaço, parque infantil, um espaço cercado para cães e peças de mobiliário urbano e equipamentos de ginástica.
A entrega da fonte Milão novamente restaurada e da Praça Cidade de Milão como espaço de convivência em local muito acessível em São Paulo, em frente ao Parque do Ibirapuera, é um reconhecimento à importância da comunidade italiana na formação da cidade e um presente aos paulistanos. Vamos acompanhar agora por quanto tempo poderemos fazer uso seguro de todo esse empenho.

Local: Fonte Milão. Praça Cidade de Milão. Avenida República do Líbano 1394-1622 na altura do Viveiro Manequinho Lopes, Vila Mariana, São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *